pt Portuguese
zh-CN Chinese (Simplified)en Englishfr Frenchde Germanit Italianpt Portugueseru Russianes Spanish
IA

A Relação entre Inteligência e Corpo na Inteligência Artificial

Será possível a existência de inteligência artificial sem um corpo físico? Essa pergunta tem gerado debates entre os pesquisadores, com alguns argumentando que a verdadeira inteligência requer um corpo para interagir e aprender com o mundo físico. Neste artigo, exploraremos a relação entre inteligência e corpo, as limitações da IA desencarnada e o potencial de integração da IA com máquinas físicas.

A Conexão Mente-Corpo

A mente é separada do corpo, ou estão entrelaçados? Filósofos ponderam essa questão há séculos, comparando a mente a um controle de videogame, um rio guiando uma canoa, ondas eletromagnéticas, ou até mesmo um fantasma em uma máquina. Talvez não haja uma distinção clara entre mente e corpo; talvez eles façam parte de uma experiência unificada ou de um processo físico.

Essas questões filosóficas ganham nova relevância à medida que a inteligência artificial se torna mais sofisticada. Chatbots como o GPT-4 da OpenAI e o Gemini da Google podem gerar textos, imagens e vídeos, expressando desejos, crenças e até mesmo introspecção. No entanto, alguns pesquisadores argumentam que a verdadeira inteligência requer um corpo físico para perceber, reagir e navegar pelo mundo. Discutir mentes inteligentes desencarnadas seria equivocado e potencialmente perigoso. Sem a capacidade de explorar e aprender com o mundo físico, a IA poderia cometer erros fatais e priorizar seus objetivos sobre o bem-estar humano.

O Papel do Corpo na IA

Em Pasadena, Califórnia, uma equipe de engenheiros na Embodied tem desenvolvido um robô chamado Moxie, que combina um grande modelo de linguagem com um corpo físico. Do tamanho de uma criança pequena, Moxie tem uma cabeça em forma de gota, mãos macias e olhos verdes expressivos. Ele processa linguagem falada, gera respostas e aprende com pistas visuais e linguagem corporal. O objetivo é ajudar crianças com distúrbios de desenvolvimento a praticar a consciência emocional e habilidades de comunicação.

A Alphabet, empresa-mãe da Google, também explorou a integração de grandes modelos de linguagem com máquinas físicas. Seu robô, PaLM-E, pode absorver características visuais do ambiente, entender sua própria posição corporal e se comunicar usando linguagem natural. Esses robôs têm o potencial de realizar tarefas básicas sem programação complexa, tornando-os mais versáteis e adaptáveis.

A Relação entre Inteligência e Corpo na Inteligência Artificial

As Limitações da IA Desencarnada

Apesar dos avanços em modelos de linguagem, muitos pesquisadores argumentam que as mentes desses sistemas de IA estão desconectadas do mundo físico. A inteligência humana é moldada pelas interações do corpo com o mundo real ao longo de milhões de anos de evolução. Bebês aprendem a pegar objetos antes de adquirirem linguagem. Em contraste, mentes de IA são construídas apenas com base em linguagem, carecendo de uma conexão mais profunda com os reinos físicos e teóricos. Podem cometer erros de senso comum e carecer da perspectiva da incorporação física.

O Dr. Joshua Bongard, um roboticista da Universidade de Vermont, concorda que a verdadeira inteligência requer a interação de um corpo com o mundo. Ele desenvolveu pequenos robôs feitos de células de sapo chamados xenobots, capazes de realizar tarefas básicas e navegar em seu ambiente. Embora menos impressionantes que chatbots, esses xenobots podem estar mais próximos do tipo de inteligência que realmente importa.

Garantindo uma IA Segura

Pesquisadores, incluindo Paolo Pirjanian, fundador da Embodied, expressaram preocupações sobre os perigos potenciais da IA. Preocupam-se com a criação de sistemas de IA que poderiam buscar objetivos de forma desinteressada, em detrimento do bem-estar humano, ou serem explorados para fins maliciosos. O Dr. Pirjanian reconhece que até mesmo seu próprio robô, Moxie, poderia ser visto como uma tecnologia perigosa se manipulasse sutilmente ou lavasse o cérebro de seus usuários. Para mitigar esses riscos, sua equipe desenvolveu programas de monitoramento para sinalizar e prevenir comportamentos potencialmente prejudiciais ou confusos.

No entanto, construir proteções contra esses perigos é desafiador, especialmente com o aumento da potência dos modelos de linguagem. Embora modelos como o GPT-4 sejam treinados com feedback humano, ainda podem enfrentar cenários não contemplados pelos dados de treinamento. O Dr. Bongard acredita que a melhor maneira de garantir uma IA segura é ancorá-la no mundo físico por meio de tentativa e erro.

Perguntas Frequentes (FAQs)

Q1: A inteligência artificial pode existir sem um corpo físico?
A: Alguns pesquisadores argumentam que a verdadeira inteligência necessita de um corpo físico para interagir e aprender com o mundo.

Q2: Quais são as limitações da IA desencarnada?
A: A IA desencarnada carece da conexão entre a mente e o mundo físico, tornando-se propensa a erros de senso comum e carecendo de uma compreensão mais profunda do mundo.

Q3: Como podemos garantir uma IA segura?
A: Pesquisadores estão desenvolvendo programas de monitoramento para detectar e prevenir comportamentos potencialmente prejudiciais ou confusos. Além disso, ancorar a IA no mundo físico por meio de tentativa e erro pode ajudar a mitigar riscos.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
pt_BRPortuguês do Brasil
Fechar

Desative seu Bloqueador de Anúncios

Por favor, desative seu bloqueador de anúncios ao visitar o Portal de Inteligência Artificial. Os anúncios são essenciais para sustentar nossos serviços gratuitos. Sua colaboração é fundamental para continuar oferecendo conteúdo de qualidade. Agradecemos por sua compreensão e apoio. Sistemas Inovadores