pt Portuguese
zh-CN Chinese (Simplified)en Englishfr Frenchde Germanit Italianpt Portugueseru Russianes Spanish
IANotícias

Inteligência Artificial: O “Quinto Beatle” no Lançamento de “Now and Then”, Última Canção de John Lennon

No mundo da música, raramente experimentamos algo verdadeiramente emocionante e inovador. Aqui estamos nós, em 2024, ainda trabalhando com a música dos Beatles. Mais emocionante ainda é o lançamento do que foi apelidado de “última” canção dos Beatles: a balada intitulada “Now and Then”, que foi lançada mundialmente em outubro de 2023, impressionantes 43 anos após a morte de seu autor, John Lennon.

O que torna este lançamento verdadeiramente notável é o envolvimento da Inteligência Artificial (IA) no processo de produção. A aprendizagem de máquina foi empregada para reconhecer a voz de John Lennon e isolá-la de outros sons – um piano, uma fraca televisão ao fundo, um zumbido elétrico – para torná-la utilizável em uma nova gravação. Essa integração de IA ocorre em meio a uma onda de atividades relacionadas aos Beatles, incluindo uma nova série de podcasts, o épico documentário “Get Back” de Peter Jackson em 2021, novas versões dos icônicos álbuns compilados “Red and Blue” e uma turnê de Paul McCartney, durante a qual ele apresentará músicas dos primeiros álbuns do Fab Four.

O sucesso comercial envolvendo os Beatles parece imparável. No entanto, poderíamos ser tentados a ser céticos em relação a uma “nova” música de uma banda que se separou em 1970 e tem dois membros falecidos. Certamente, “Now and Then” levanta questões sobre como os lançamentos mediados por tecnologia se relacionam com a produção artística coletiva e o significado de ser uma banda.

A Criatividade Coletiva nas Bandas

O rótulo de IA, de muitas maneiras, é um equívoco, e essa nova música – que na verdade tem suas raízes em uma fita demo de 1977 de John Lennon – exemplifica um padrão contínuo. Os Beatles e sua narrativa forneceram um exemplo seminal de como as bandas funcionavam e pareciam abrir caminho para outros seguirem. Desde seus primeiros dias como colegas de escola (com Ringo se juntando em 1962 quando começaram a gravar) até seu imenso sucesso financeiro e impacto cultural, os Beatles estabeleceram modelos que outros emularam. A lendária reunião de Lennon e McCartney em uma festa na igreja em 1957 está agora registrada na história.

Suas inovações em estúdio, com a ajuda do produtor George Martin, ajudaram a tornar as gravações – especialmente os álbuns – um elemento central da experiência musical popular. Eles começaram a se apresentar juntos profissionalmente, apenas para se separarem enquanto formavam novos relacionamentos e avançavam para as próximas fases de suas vidas, ainda relativamente jovens.

As bandas são simultaneamente grupos sociais, unidades criativas e entidades econômicas. A “marca” econômica pode, é claro, persistir muito tempo depois que as outras deixaram de existir. Também existe uma longa história de lançamentos póstumos, incluindo Jimi Hendrix, Elliott Smith e Prince, até o sucesso definitivo de Otis Redding (“Sittin’ On) The Dock of the Bay”). Gravações de demonstração, performances ao vivo inéditas e transmissões de rádio tornaram-se partes estabelecidas nos catálogos de artistas.

Entretanto, as coisas se tornam mais complexas quando o ato em questão é um coletivo com membros falecidos, cuja presença na gravação é tecnologicamente facilitada. Um exemplo significativo é o projeto “Beatles 1995 Anthology”, no qual os membros sobreviventes revisitaram as fitas demo de John Lennon de uma fita cassete dada a McCartney por Yoko Ono, e adicionaram novas partes para completar as músicas. A antologia de 1995 não foi um evento único. No álbum “Made In Heaven” do Queen no mesmo ano, a banda finalizou músicas que Freddie Mercury estava trabalhando no estúdio antes de sua morte. Mas isso envolveu ressuscitar fragmentos de gravações caseiras para limpá-los para o mercado comercial.

Na época, a tecnologia não era avançada o suficiente para isolar adequadamente a voz de Lennon em “Now and Then”, então o projeto foi abandonado até que Peter Jackson usou a aprendizagem de máquina para remover ruídos das gravações originais para “Get Back”. Naquele momento, George Harrison já havia falecido, permitindo que McCartney e Starr revisitassem a música e incorporassem o solo de guitarra de Harrison da tentativa fracassada nos anos 1990.

“Vamos Juntos”

Portanto, podemos considerar o processo por trás desta última música em termos evolutivos em vez de revolucionários. As possibilidades da gravação multi-tracks desde a década de 1950 significaram que músicos

🚀O Futuro Bilionário da IA: Como Ela Pode Gerar Mais de 💰1 Trilhão até 2030

Artigos relacionados

Deixe um comentário

Botão Voltar ao topo
pt_BRPortuguês do Brasil
Fechar

Desative seu Bloqueador de Anúncios

Por favor, desative seu bloqueador de anúncios ao visitar o Portal de Inteligência Artificial. Os anúncios são essenciais para sustentar nossos serviços gratuitos. Sua colaboração é fundamental para continuar oferecendo conteúdo de qualidade. Agradecemos por sua compreensão e apoio. Sistemas Inovadores